Pílula de português: animais de experimentação. Itálico? Maiúsculas?

Pílula de português: animais de experimentação. Itálico? Maiúsculas?

0 329

Tudo depende da origem do nome.

O macaco-rhesus ou simplesmente reso, por exemplo, é uma raça do macaco Macaca mulatta. Portanto, o itálico não é necessário em rhesus (somente no nome da espécie). Encontramos também a grafia com letra maiúscula, por Rhesus ser o nome do rei Rhesus, da Trácia, na mitologia grega. Porém, usando-se o nome popular em português, com hífen, macaco-rhesus ou macaco-reso, não é preciso itálico nem maiúscula.

Wistar é uma cepa de ratos criada no laboratório Wistar Institute. Também não é nome de espécie, portanto não vai em itálico, mas vai em maiúscula por ser o sobrenome do fundador do instituto.

Sprague-Dawley também é uma raça de ratos de laboratório (portanto também sem itálico), criada por pela Sprague-Dawley Company a partir da raça Wistar. Os nomes das empresas (que por sinal são os nomes próprios de seus fundadores) vão em maiúsculas, portanto o nome do rato também. O mesmo ocorre com rato Long-Evans.

Há outras cobaias: hamster vai em minúsculas, mas em itálico (palavra estrangeira).
Então, na dúvida, procure saber de onde vieram os nomes dos bichos (ou não bichos!) sobre os quais vocês estão escrevendo. Até a Wikipedia ajuda nisso!

Palavra Impressa
A Palavra Impressa é uma consultoria que oferece auxílio para publicação de textos e livros da área científica e da área social. Adaptamos os trabalhos às necessidades de cada um e de cada editora que publica os textos, num contato próximo com o cliente. Nosso diferencial é o atendimento. Pessoal, caso a caso.

SEM COMENTÁRIOS

Deixe seu comentário