Tags Posts com as tags "artigo científico"

artigo científico

Cliente da Palavra Impressa recebeu dois prêmios internacionais pela publicação de dois estudos clínicos randomizados

Quando um cliente da Palavra Impressa recebe um prêmio por artigo científico publicado, a gente também comemora. Afinal, compartilhamos as preocupações, o trabalho duro e o empenho em ir um pouco além da média e entregar um produto final de qualidade. Quando um mesmo cliente recebe dois prêmios por dois trabalhos diferentes, fica claro que ele está no caminho certo, produzindo bons estudos e se interessando em publicar de forma transparente.

Em 2022, O Dr. João Alberto Maradei-Pereira, nosso antigo cliente, recebeu o prêmio de melhor artigo publicado no ano (em 2021) pelo The Journal of Hand Surgery, reportando um estudo clínico randomizado em cirurgia da mão. Agora, um ano depois, recebeu outro prêmio por outro estudo clínico em cirurgia do joelho, agora pela International Society of Arthroscopy, Knee Surgery & Orthopaedic Sports Medicine (ISAKOS) — Isto depois de ter tido o mesmo trabalho reconhecido como melhor Tema Livre no Congresso Brasileiro de Ortopedia e Traumatologia (CBOT) em 2022.

Medicina, ciência e transparência

Dr. Maradei luta para oferecer aos seus pacientes em Belém do Pará cirurgia e atendimento de qualidade em hospital do Sistema Único de Saúde (SUS). Nós gostamos de acompanhar nossos clientes durante todo o processo de produção e relato das pesquisas, conforme já relatamos aqui, e esse contato próximo nos ajuda a compreender as peculiaridades de cada serviço, de cada rotina, de cada equipe. Isso nos permite estimular os clientes a não esconder nada e a ser transparentes no relato do que fazem, como fazem, e quais os resultados que obtêm, positivos e negativos. Reportar a limitação dos estudos ajuda outros pesquisadores, no mundo todo, a evitar os mesmos percalços.  

Não satisfeito em ter conduzido e publicado um estudo clínico randomizado na Amazônia, o Dr. Maradei resolveu estudar mais e realizar o segundo. Desta vez, como parte de seu doutorado, ele avaliou duas formas de profilaxia da trombose venosa profunda após cirurgia de joelho. O processo de publicação, neste caso, foi complicado porque as revistas norte-americanas estavam resistentes em publicar um estudo em que não foi usada aspirina, a intervenção preferida nos Estados Unidos. Nós ajudamos o autor a argumentar, explicando que as modalidades utilizadas na pesquisa amazônica são apoiadas por diretrizes internacionais, e que o estudo foi realizado com metodologia robusta. Todos os detalhes questionados pelos revisores foram sendo incorporados ao texto, o que melhorou sua transparência e qualidade. Após várias interações com as revistas, conseguimos a publicação e o prêmio veio em seguida, entregue pessoalmente no congresso internacional realizado em Boston, em junho de 2023.

“A ajuda que a Patrícia tem me dado nos últimos anos foi decisiva para meu engajamento maior nas pesquisas e para a chama da curiosidade científica genuína. Ensina não só a redigir melhor, mas a pensar e ter ideias novas de como responder a perguntas que surgem diariamente no centro cirúrgico. Difícil encontrar profissionais dessa qualidade. Impossível não recomendar.”

João Alberto Maradei-Pereira

Primeiro prêmio: The Journal of Hand Surgery

O manuscrito premiado pelo The Journal of Hand Surgery, que editamos na Palavra Impressa, reportava a realização de um estudo clínico randomizado comparando dois tipos de fixação na cirurgia de fratura do rádio distal. A revista declara que “reconhece a importância científica, o excelente rigor do estudo e o alto padrão acadêmico na preparação para publicação” do artigo, e que o prêmio é um “agradecimento aos autores por sua contribuição ao Journal e à cirurgia da mão em todo o mundo”. O estudo escancarou para o mundo as dificuldades de se cuidar do paciente cirúrgico em localizações geográficas que impossibilitam o controle da aderência do paciente a recomendações no pós-operatório. O risco de infecção é alto nessa situação.

Segundo prêmio: ISAKOS

O congresso da ISAKOS premia as pesquisas de destaque que contribuem para a compreensão da artroplastia do joelho. O manuscrito enviado é avaliado segundo critérios de clareza da escrita e qualidade científica e o vencedor recebe a inscrição no congresso e mais 3 mil dólares como prêmio. O estudo premiado mostrou que a profilaxia mecânica da trombose, comparada com a farmacológica (com enoxaparina) resulta em menor perda de sangue e edema da perna operada. Como se não bastasse esses dois benefícios, o paciente pode ir para casa com o aparelho de massagem na perna, mostrando que a intervenção é viável mesmo em regiões de difícil acesso como a amazônica. O estudo foi submetido para a BMC Musculoskeletal Disorders em agosto, aceito em outubro e publicado em novembro de 2022 e a versão online está disponível, aberta. Já foi acessado mais de 1100 vezes, e compartilhado na imprensa paraense.

0 2287

A decisão sobre a revista onde vamos publicar nosso estudo na área de saúde deve acontecer cedo no processo da pesquisa, e não quando tudo já estiver pronto e o artigo sendo escrito. Escolher a revista deve, inclusive, ser um processo guiado, entre outras coisas, pelas instruções para autores da revista escolhida. A escolha da revista deve ser feita de comum acordo com todos os co-autores, levando em consideração a visão de todos, numa discussão precoce e aberta. 

A nossa recomendação é de que esta ordem de prioridades pode ser considerada, não importando se é a primeira submissão ou a submissão após uma recusa:

1) Escopo: certifique-se de que o tema de seu trabalho está dentro do escopo da revista (verifique isso na página da revista na internet). É muito comum que os editores recusem o trabalho usando a justificativa de que ele “estava fora do escopo”, e é possível evitar isso tendo certeza a respeito do que a revista quer. Se necessário e caso não fique claro lendo o material publicado pela revista, é possível enviar uma mensagem para o editor ou para a secretaria editorial com o título e o resumo (ou uma breve descrição do trabalho), perguntando se o trabalho se encaixa no escopo. Isso pode ser feito como uma “presubmission inquiry”. A maioria das revistas vai responder.

2) Público: a sua comunidade, a revista que você e seus colegas mais leem, consultam, e onde mais encontram artigos úteis é, provavelmente, a mais adequada para a sua pesquisa. Qual é o público dessa revista? É preciso pensar em quem se quer atingir, em quem precisa ler os resultados do trabalho. Revistas mais especializadas tendem a ter uma audiência menor, mas mais interessada no tema; enquanto revistas mais generalistas têm público muito maior — mas não significa que a visibilidade do artigo específico será grande, se ele for de interesse de uma minoria.

3) Indexação e visibilidade: na área de saúde, é primordial que clínicos, gestores e pacientes tenham acesso ao artigo e aos resultados da pesquisa. E para que eles encontrem o artigo em buscas feitas nas bases de dados, é importante que a revista esteja indexada (em bases como MEDLINE, EMBASE e outras), e que não seja uma revista predatória (ajuda para reconhecer revistas predatórias no site https://thinkchecksubmit.org).

4) Formatação e “word count”: quanto mais rígida a revista em termos de formatação do artigo, mais trabalho isso vai gerar em caso de recusa, situação em que se vai precisar reformatar tudo para outra revista. O tempo disponível deve ser levado em consideração na hora de escolher a revista.

5) APC (article processing charges), ou taxa de open-access: este não deveria ser um critério de escolha de revista num mundo ideal, em que há financiamento para essas taxas. Mas no mundo real, em que muitos pesquisadores precisam pagar a taxa do próprio bolso (ainda que compartilhado por todos os co-autores), o valor da taxa é levado em consideração na hora de escolher a revista. Consultar esses valores antes de iniciar a submissão é uma precaução importante.

Observação: não foi incluído na lista o dito “Fator de Impacto” (FI), calculado pela Clarivate Analytics. O FI não é uma medida de qualidade (nem da revista, nem dos pesquisadores) e não deveria nortear a escolha das revistas onde se quer publicar artigos na área de saúde.