As revistas open access predatórias

As revistas open access predatórias

0 5224

Nossos clientes têm nos procurado, com frequência cada vez maior, portando convites de revistas para publicação de artigos. Recebem e-mails com “convites para submeter um artigo para uma revista importante”… Ao relermos juntos essas mensagens, fica patente que se trata de uma prática predatória, na verdade quase um golpe. Geralmente, não são as “revistas importantes” que fazem esses convites, mas justamente as revistas de menor qualidade, que dependem de volume de publicações para sobreviver financeiramente. E publicar nelas pode ser uma decisão equivocada. E cara: com taxas de mais de 2 mil dólares por artigo.

O movimento “open access” nasceu de um princípio muito interessante: o direito de se ter acesso, gratuitamente, aos resultados da pesquisa publicada no mundo todo. O princípio por trás do movimento é bonito e realmente muitas boas, importantes e qualificadas revistas foram criadas nesse contexto, como a PLOS, por exemplo. Existem mais de 9 mil bons exemplos de revistas open access qualificadas listadas no Diretório de Revistas Open Access https://doaj.org/. Estas boas revistas têm sistemas de avaliação por pares bem definidos e organizados e não publicam qualquer coisa. Por isso, seus artigos são bem citados e elas conseguem bons fatores de impacto.

No entanto, como essa modalidade de publicação é financiada pelo autor do artigo, o “open access” transformou-se num filão comercial altamente lucrativo. E aí começaram a surgir revistas publicadas por instituições que não são exatamente “sem fins lucrativos” ou comprometidas com a ética e com a qualidade na publicação científica. Essas editoras têm finalidade lucrativa e não têm pudor algum em publicar artigos que passaram (se é que passaram) por processos de revisão por pares de qualidade muito duvidosa e com falta de padronização e transparência. Elas ganham no volume e enganam muitos pesquisadores, tanto os jovens como os mais experientes, prometendo publicação rápida. Quando publicam. São as chamadas revistas open access predatórias, por realizarem uma “concorrência desleal” com as revistas sérias e de qualidade.

Essas revistas, que já são chamadas de “open access predatórias” com muita frequência não têm nenhum tipo de indexação em bases de dados eletrônicas. Portanto, exceto se tiver acesso aos websites das próprias revistas, o leitor não consegue ter acesso aos textos ou mesmo saber que os artigos existem. Elas frequentemente não são rastreáveis. E não estão indexadas justamente porque as bases de dados indexadoras têm critérios mínimos de qualidade, uniformidade e constância de publicação para considerarem a inclusão de novos periódicos. Revistas que não são capazes de manter sua periodicidade nem têm transparência em seu sistema de revisão por pares não são indexadas, simplesmente.

Para quem tem carreira acadêmica e precisa provar um certo número de publicações em periódicos indexados todo ano, essas revistas open access predatórias são uma perda de tempo — ao contrário das revistas open access sérias e publicadas por boas editoras, que têm indexação e excelente visibilidade. Existem, inclusive, muitas denúncias de infrações éticas cometidas pelas revistas “predatórias”, desde publicações redundantes até plágios ou publicação de artigos falsos. Muitas não têm sequer endereço fixo ou editor responsável.

A lista de Beall

Jeffrey Beall, biblioteconomista da Universidade de Colorado (Denver, Estados Unidos), pesquisou a área por muitos anos até aposentar-se. Sim, esta se tornou uma linha de pesquisa na biblioteconomia, assim como métricas, metadata e outras. Beall montou uma página na internet na qual lista centenas de revistas de várias áreas que foram consideradas como predatórias. Essas publicações foram classificadas como predatórias de acordo com uma lista de critérios que abrangia desde a composição do corpo editorial e sua qualificação acadêmica até a transparência (falta de) no processo de avaliação por pares, o comprometimento (falta de) com a preservação digital dos documentos, envio de cobranças de taxas surpresa, republicação, por cópia, de artigos publicados em outras revistas (sim, plágio) e muitas outras pistas. A principal missão dessas revistas é ganhar dinheiro — e não contribuir com a ciência mundial.

A “lista de Beall” está publicada e constantemente atualizada em https://scholarlyoa.com/publishers/

Os critérios que ele utilizou para criar a lista estão em:
https://scholarlyoa.files.wordpress.com/2015/01/criteria-2015.pdf

Vale a pena também ler este artigo sobre critérios para considerar uma revista como predatória: http://www.la-press.com/2014-Hill-illegitimate-PRINT.pdf

A lista das boas open access

Uma lista de revistas open access sérias, de boa qualidade, está disponível no Diretório de Revistas Open Access https://doaj.org/, que contém mais de 9 mil revistas de várias áreas. Estas são listadas de acordo com princípios de transparência e qualidade, que estão disponíveis no site para consulta. A presença na lista produzida pela DOAJ, uma organização social sem fins lucrativos, é um bom sinal de qualidade da publicação. O DOAJ, quando suspeita de falhas de conduta das revistas, remove essas publicações de sua lista. Portanto, ao buscar uma revista open access para publicar um artigo, o DOAJ deveria ser a primeira fonte.

Atualização deste post (em outubro de 2020):

O campo da meta-pesquisa tem se dedicado a investigar mais a fundo o fenômeno das revistas predatórias e a “lista de Beall” já não é mais considerada atualizada nem única. Surgiram outros critérios, propostos por várias equipes diferentes, muitas vezes até discordantes, para considerar uma revista como predatória ou não. Consenso existe em classificar revistas científicas predatórias como aquelas que cobram taxas para a publicação, não praticam revisão por pares (peer review) ou têm procedimentos obscuros ou de baixa qualidade de revisão (portanto essas revistas publicam “qualquer coisa”) e não são indexadas nas bases de dados utilizadas para pesquisa. Portanto, permanece a recomendação de evitar as revistas predatórias ao máximo, por mais que elas prometam eficiência e rapidez.

Retiramos, a pedido de leitores, os termos “lista negra” e “lista branca” deste post, passando a utilizar expressões gerais não ofensivas.

Patricia Logullo
Patricia Logullo é editora de textos e publicações. Trabalha na área de não ficção, especialmente com relatórios científicos, sobre projetos sociais e registros históricos.

SEM COMENTÁRIOS

Deixe seu comentário